Grupo de Pesquisa A-Tevê surgiu há pouco mais de uma década para reunir estudiosos que se dedicam aos aspectos poéticos, estéticos, estilísticos, narrativos e plásticos da ficção televisiva, e/ou aos processos criativos e autorais em seu entorno.

Nos últimos anos, o grupo ampliou o escopo de investigações para favorecer estudos comparativos sobre o estilo e as poéticas autorais da ficção televisiva com outros produtos e linguagens, como filmes de ficção, peças audiovisuais publicitárias e narrativas gráfico-sequenciais (histórias em quadrinhos).

Hoje, as pesquisas do A-Tevê possuem duas linhas prioritárias de trabalho: a) o estudo dos contextos de produção e recepção da ficção televisiva, dos aspectos narrativos, poéticos e estilísticos, com ênfase na intertextualidade e na transmidiação e b) o estudo comparativo da autoria e do estilo de produtores, roteiristas e diretores da ficção televisiva, do cinema, do filme publicitário e das histórias em quadrinhos. Os integrantes do Grupo A-Tevê participam da Rede de pesquisadores da ficção televisiva OBITEL Brasil e promovem a atividade de extensão Estação do Drama: programa de formação de roteiristas de narrativas seriadas para televisão e internet.

O grupo integra a Linha de Pesquisa Mediatização e Indústrias de Mídia, do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas, da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia.



Docentes pesquisadoresDoutorandosMestrandos

Maria Carmem Jacob de Souza – Líder do Grupo de Pesquisa

Doutorado em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Pesquisadora do CNPq (2000 a 2013). Professora da Faculdade de Comunicação e do Programa de Pós-graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Universidade Federal da Bahia. Temas de interesse: campo da televisão, da teledramaturgia e da telenovela; construção social da autoria no campo audiovisual midiático; métodos de análise da poética e das marcas de autoria em ficções seriadas televisivas.

e-mail: [email protected]

Objetivo central deste Projeto é desenvolver metodologias de análise sobre os estilos dos roteiristas autores das telenovelas brasileiras contemporâneas. A expectativa é compreender como no processo coletivo de realização das telenovelas se examinam as decisões artísticas dos autores roteiristas que colaboraram na composição do sistema formal ou do estilo da série, segundo a perspectiva de Bordwell. Partimos da premissa que a cada especialista envolvido na realização das obras audiovisuais se pode atribuir estilos característicos que podem ser analisados por meio dos modos como cada especialista utiliza regularmente as técnicas que lhes são próprias na lógica geral do sistema da obra examinada. As decisões artísticas reconhecidas como autorais dos roteiristas correspondem, também, na perspectiva de Bourdieu, ao grau de autonomia que foram acumulando ao longo da trajetória social que imprimiram no campo de produção da obra selecionada. Neste projeto, examinaremos a perspectiva autoral e estilística do roteirista Benedito Ruy Barbosa nas telenovelas Renascer (1993), O Rei do Gado (1996), Terra Nostra (2000) e Esperança (2002) produzidas e exibidas pela Rede Globo. Esperamos que os resultados desta pesquisa desenvolvam uma abordagem analítica comparativa da perspectiva autoral e estilística dos roteiristas de telenovelas, de minisséries e de seriados brasileiros.

Ludmila Moreira de Carvalho

Doutorado em Estudos Cinematográficos pela Université de Montreal – Canadá (2009), mestrado em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Universidade Federal da Bahia (2004) e graduação em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo também pela UFBA (2002). Docente do Centro de Cultura, Linguagens e Tecnologias Aplicadas, Universidade Federal do Recôncavo. Possui experiência na área de Comunicação, com ênfase em Cinema, atuando principalmente nos seguintes temas: cinema, cinemas asiáticos, análise fílmica, narrativa, estilo e autoria no cinema e na televisão.

e-mail: [email protected]

Este projeto de pesquisa tem como objetivo analisar questões de estilo e marcas autorais no trabalho de alguns diretores/autores que transitam entre o cinema e a ficção seriada televisiva. Nos últimos anos, vem ocorrendo um movimento – oposto ao que se via algumas décadas atrás – de cada vez mais autores já reconhecidos por seu trabalho no cinema aderindo à televisão. Se, antes, um diretor desconhecido, em início de carreira, costumeiramente usava a televisão apenas como plataforma de trabalho para aceder à arte considerada maior do cinema, agora o inverso está acontecendo. Cineastas como David Fincher, Guillermo del Toro, Steven Soderbergh, Neil Jordan, David Lynch, M. Night Shyamalan, Woody Allen e os irmãos Washowsky são apenas alguns exemplos deste fenômeno, visto que novos casos são anunciados na imprensa com frequência. Curiosamente, estes autores alegam que estão fazendo a passagem do cinema para a televisão como forma de angariar ou manter o controle criativo e estético sobre suas obras, o que antes era impensável. A pesquisa tem como objetivo se deter justamente sobre a possibilidade de análise de marcas autorais nas obras de alguns destes diretores. Quais são as implicações estéticas, narrativas e poéticas deste movimento de “redescoberta” da televisão por parte de autores estabelecidos no campo do cinema? O que significa falar de autoria no contexto da ficção seriada televisiva contemporânea? Partiremos inicialmente de uma breve revisão do conceito de autoria em sua origem nos estudos literários, para depois associa-la aos produtos e linguagens audiovisuais, como o cinema e, finalmente, a televisão. Trabalhamos com a hipótese de que a noção de autoria nas séries de ficção televisivas possui duas dimensões inter-relacionadas: em sua dimensão contextual, ela atua como uma construção dentro do campo de produção responsável por estabelecer um lugar de fala aos autores e indicadores de qualidade aos produtos; em sua dimensão textual, ela atua como marcas estilísticas impressas tanto na mise en scène quanto na estrutura narrativa das séries, responsável por transforma-las em obras coesas.

Mirella Márcia Longo Vieira Lima

Bolsista de Produtividade em Pesquisa 2 — CA LL — Líder adjunta do Grupo de Pesquisa A-Tevê

Professora e pesquisadora das áreas de literatura brasileira, teoria literária e literatura comparada. Desde 1982, ensina e pesquisa no Instituto de Letras da UFBA, onde ocupa atualmente o cargo de professor associado IV , atuando na graduação e no Programa de Pós-graduação em Literatura e Cultura. Concluiu Licenciatura e Mestrado em Letras na UFBA. Sob a orientação de João Luiz Lafetá, fez doutorado na FFLCH/ USP (1993). Entre agosto de 2006 e julho de 2007, fez pós- doutorado em Letras na Universidade de São Paulo, com bolsa de pós-doutorado sênior, do CNPQ. Em 2000, fez estágio de pesquisa na Biblioteca Nacional de Lisboa, com bolsa da própria biblioteca e da Fundação para o desenvolvimento do mundo em língua portuguesa. Pesquisadora do CNPQ, desde 2002. Entre outras publicações, é autora do livro Confidência Mineira: o amor na poesia de Carlos Drummond de Andrade. Estuda especialmente os temas do amor e da família em textos literários modernos e contemporâneos. Em 2014, realiza pós-doutorado na USP, com supervisão de Alfredo Bosi e apoio da CAPES. Centrado no Livro de Sonetos escrito por Jorge de Lima, o projeto Encontro na névoa; focaliza primordialmente os poemas dedicados à bem-amada.

e-mail: [email protected]

Estudo do erotismo na literatura brasileira, com ênfase em vertentes místicas. Em sua fase atual, o projeto focaliza o “Livro de Sonetos” escrito por Jorge de Lima. A hipótese norteadora da leitura identifica, no conjunto publicado em 1949, uma crítica à história. Na perspectiva do escritor alagoano, a modernidade, centrando-se na ideia de que Deus está morto, teria perdido contato com forças capazes de insuflar vida. Assim, é por se perceber num mundo desanimado e em agonia, que a voz poética busca amorosamente a própria alma perdida, e empresta-lhe a feição da “bem-amada”. Espera-se que, além de ensaio crítico, a pesquisa resulte em roteiro para produção audiovisual, feita com intenção de divulgar a trajetória de escritores ligados ao erotismo místico, linhagem pouco conhecida e, todavia, importante na cultura do país.

José Benjamim Picado Sousa e Silva

Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq — Nível 2 — CA AC

Benjamim Picado concluiu o doutorado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo em 1998, com uma tese sobre o horizonte lógico da significação na filosofia do Pragmatismo. De 1991 até 2009, foi professor do quadro permanente da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia, atuando como docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da mesma Instituição. A partir de 2010, foi integrado ao Departamento de Estudos Culturais e Mídia e ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense, no qual passa a coordenar as atividades do Grupo de Pesquisa em Análise da Fotografia e de Narrativas Visuais e Gráficas (GRAFO/NAVI). No contexto de todas estas atividades, conduz projetos de análise dos materiais expressivos da cultura mediática, com especial ênfase nos modelos semióticos e estéticos da discursividade visual.

e-mail: [email protected]

Este trabalho tenta prolongar as questões teórico-metodológicas do estudo sobre as relações entre a plasticidade das formas visuais e os regimes discursivos característicos do humor gráfico na cultura contemporânea. Se há algo que se restitui como relativamente próprio aos quadrinhos, nessa relação originária com as narrativas, diríamos que trata-se de algo que não é próprio às tramas originais da arte seqüencial, mas decerto também algo relativo à dimensão plástica da manifestação dos quadrinhos: de um lado, suas principais energias se encontram num certo estilo de caracterização morfológica das personagens (em especial, naquelas tradições estilísticas mais ligadas ao gênero cômico e burlesco), num regime plástico e icônico que é genericamente identificado com o modelo da caricatura (pelo aspecto hiperbólico e anamórfico do tratamento plástico da representação da fisionomia humana ou por sua assimilação a outras classes de seres). Nestes termos, a exploração da caricatura deve estar integrada a um modo de pensar os aspectos referenciais da figuração pictórica que nos permitiriam integrá-la no contexto das ações representadas ou sugeridas pictoricamente: devem considerar, portanto, o âmbito da assimilação das formas visuais aos princípios poéticos da composição de poemas dramáticos, dos quais a comédia é claramente uma das suas manifestações. Fica claro aqui como se integram metodologicamente – em nossa análise dos regimes plastico-discursivos quadrinísticos – a síntese entre o problema das estruturas icônicas do traço no desenho e a produção do sentido textual ao qual as representações ficarão doravante vinculadas, decorrendo daí a complementaridade que assume para nós o recurso às disciplinas da interpretação textual e as ciências da arte (em especial, a poética e a estética).

Rodrigo Ribeiro Barreto

Professor adjunto da Universidade Federal do Sul da Bahia na área de Humanidades desde 2014. Formado em Comunicação Social – Jornalismo pela Universidade Federal da Bahia (2002). Mestre (2005) e Doutor (2009) em Comunicação e Cultura Contemporâneas pelo Póscom/UFBA. No percurso de pós-graduação, investigou a análise de formatos audiovisuais, a construção de imagem no pop-rock, a delimitação do campo de produção do videoclipe e a autoria no videoclipe. Na prática de ensino, constam palestras, oficinas e disciplinas – em cursos de graduação e pós-graduação – sobre temas como videos musicais, crítica e análise cinematográfica, séries de TV, roteiros, metodologia de pesquisa e elaboração de projeto. Atuou como professor participante da Pós-graduação em Multimeios da UNICAMP, onde desenvolveu pesquisa de pós-doutorado financiada pela FAPESP sobre a representação masculina nos videoclipes (2011-2014). Além de participante do Laboratório de Análise de Teleficção (A-Tevê), é co-líder do grupo de pesquisa Núcleo de Investigações Poéticas (NIP – UFSB). Foi também co-criador e curador da mostra Possíveis Sexualidades (Salvador, 2008 – 2014).
e-mail: [email protected]

O projeto busca investigar as oportunidades de representações do corpo, desejo, afeto e sociabilidade gay no audiovisual televisivo contemporâneo, o qual – considerando suas constrições e disputas pela audiência – mantém-se vinculado a um contexto sociocultural ainda heteronormativo. No geral, para garantir sua palatabilidade junto ao grande público, demonstrações televisivas do homoerotismo conhecem certos limites. A partir da análise texto-contextual dos seriados Please Like Me (Josh Thomas/ABC2 & Pivot, Austrália/EUA, 2013-), Looking (Michael Lannan & Andrew Haigh/HBO, EUA, 2014-2015), Cucumber e Banana (Russell T. Davies/Channel 4, Grã Bretanha, 2015), a pesquisa propõe-se a apontar formas renovadas de representação das relações sexuais e da intimidade entre homens gays. Vale pensar em que condições do campo de produção e sob a regência de que instâncias autorais – criadores, roteiristas, diretores, produtores executivos etc. – tais abordagens concretizam-se. A combinação da trajetória no contexto produtivo com as próprias vinculações identitárias de alguns desses profissionais são determinantes para pautar temas supostamente audaciosos. A análise dos seriados selecionados será subsidiada por inúmeros tópicos de interesse para os estudos de gênero, estudos LGBTI e Teoria Queer. Questões etárias, étnico-raciais, econômicas e corporais influenciam a apresentação de diferentes masculinidades nas séries, cuja qualidade e nuance podem ser medidas pela análise texto-contextual. Durante a pesquisa sobre a serialização contemporânea, pretende-se ilustrar, analisar e complexificar a questão da intimidade gay desde relações de amizade, encontros casuais até diferentes tipos de compromisso amoroso, sublinhando a diversidade possível de representação da comunidade homossexual masculina. Serão traçados também paralelos com o próprio passado televisual, abordando o ritmo das mudanças, a resistência/aceitação com relação às séries tratadas e o estabelecimento de genealogias (afiliações e distanciamentos) entre os programas.

Kyldes Batista Vicente

Professora na Universidade Estadual do Tocantins (Unitins), onde é editora da Revista Humanidades & Inovação (ISSN: 2358-8322); e na Faculdade Itop, onde é editora da Revista Multidebates (ISSN: 2594-4568) e Coordenadora do Programa de Iniciação Científica. Possui Graduação em Letras e Mestrado em Letras e Linguística (pela Universidade Federal de Goiás, Brasil), Doutorado em Comunicação e Cultura Contemporâneas (pela Universidade Federal da Bahia, Brasil) e Pós-Doutorado em Letras (pela Universidade Federal de Goiás, Brasil). Atua em cursos de formação de professores e realiza pesquisa e extensão na área de Letras. É autora do livro intitulado Episódios da vida romântica: Maria Adelaide Amaral e Eça de Queirós na minissérie Os Maias, publicado em 2018 pela editora Appris, em que analisa o modo como foi possível à equipe de realizadores da televisão brasileira a criação de estratégias para a composição de programas de efeitos que aproximassem a minissérie ao texto queirosiano, sem deixar de imprimir suas marcas no produto realizado. O livro é resultado das pesquisas realizadas durante o doutoramento realizado no POSCOM-UFBA. Publicou, entre outros, os artigos: “Figurações e Refigurações da Personagem na Intermidialidade”, na Revista Polifonia: Estudos da Linguagem (Universidade Federal do Mato Grosso) e “As personagens do romance Os Maias na minissérie da Globo. Revista de Estudos Literários” (Universidade de Coimbra). Integra o projeto Figuras da Ficção, colaborando no Dicionário de Personagens da Ficção Portuguesa, do Centro de Literatura Portuguesa da Universidade de Coimbra.

e-mail: [email protected]

Considerada por Oscar Lopes e Saraiva (sd, p. 875) “A mais completa e consumada realização correspondente ao projeto de Cenas da Vida Portuguesa”, proposto por Eça de Queirós, o romance Os Maias (1888) é conhecido pelo leitor brasileiro pela história acerca da relação incestuosa entre os irmãos Carlos Eduardo e Maria Eduarda. Entretanto, no Brasil, parecem mais conhecidos outros romances do mesmo autor (O Primo Basílio, O Crime do Padre Amaro ou A Relíquia), talvez pela extensão de Os Maias ou talvez pela temática. Isso, no entanto, não se apresenta como dificuldade para se conhecer o universo de Eça de Queirós a partir de uma adaptação ou recriação. O objetivo deste projeto é analisar a construção de personagens na minissérie Os Maias (Maria Adelaide Amaral) e no filme Os Maias (João Botelho). Para tal, buscaremos verificar os sentidos e significados apresentados na construção da personagem queirosiana na minissérie brasileira e no filme português, destacar as particularidades e semelhanças quanto à construção dos personagens extraídos dos romances queirosianos e examinar em que medida os programas e estratégias de efeitos utilizados permitem encaminhar a sobrevida da personagem.

Tatiana Güenaga Aneas

Professora adjunta do Departamento de Comunicação, do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Cinema e do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal de Sergipe. Doutorado em Comunicação e Cultura Contemporâneas pelo Póscom/Universidade Federal da Bahia (2016). Mestre em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela mesma instituição (2011). Graduada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal da Bahia (2007). Leciona disciplinas nas áreas de Comunicação Visual, Teorias da Comunicação, Teorias da Imagem, Estética e Semiótica. Desenvolve e orienta pesquisas relacionadas ao campo do audiovisual, com ênfase em análises que contemplem tanto aspectos do campo produtivo como abordagens imanentes, centradas em aspectos poéticos, estéticos e estilísticos das obra.

e-mail: [email protected]

Este projeto é continuidade de uma pesquisa anterior, intitulada ?Interseções entre publicidade, cinema e televisão na construção de narrativas transmídia?, iniciada em 2017 e que se propõe a realizar um mapeamento das principais produções audiovisuais transmídia produzidas recentemente e nas quais o conteúdo publicitário se configura como parte do universo narrativo. Entre os resultados parciais daquela pesquisa encontra-se o entendimento de que, na produção de narrativas transmídia, encontram-se cada vez mais borradas as fronteiras entre campos antes relativamente bem delimitadas – tal como o campo da publicidade, do cinema e da televisão, sobretudo das narrativas ficcionais seriadas. Além disso, notou-se que dentre as principais empresas produtoras de ficção seriada no cenário global contemporânea, a Netflix apresenta-se como uma instituição que recorrentemente se utiliza de estatégias de transmidiação e de criação e veiculação de conteúdos, para além das próprias séries, que se configuram como extensões das narrativas as quais promovem. Há, portanto, uma alteração importante do ponto de vista da composição e do consumo destas narrativas no momento em que, por exemplo, games, livros, blogs, perfis em redes sociais, teasers e campanhas de uma série como ?Stranger Things? ou ?Twin Peaks? passam a ser construídas para serem fruídas como extensões de um universo narrativo. Compreender as transformações nas práticas de criação, produção e reconhecimento social de conteúdos que se inserem em universos ficcionais de narrativas seriadas e se caracterizam pela transmidiação, bem como a influência destas práticas na trajetória e posição ocupada pela Netflix no campo da produção audiovisual, é a questão central da pesquisa. Para dar conta da proposta, lançamos mão de premissas teórico-metodológicas apropriadas da sociologia dos produtores culturais de Bourdieu (1996), a perspectiva de análise fílmica que considera texto e contexto calcada em Bordwell (2008) e as premissas de análise imanente inspiradas na Poética aristotélica encontradas em Gomes (1996, 2004a, 2004b). Acrescentamos, neste projeto, a importância da noção de leitor-modelo presente em Eco (1996), por considerar a dimensão da experiência presente nas narrativas transmídia sem resvelar para o campo da pesquisa de recepção – que foge aos objetivos do projeto. A definição da noção de projeto transmídia utilizada para caracterizar as produções mapeadas decorre de levantamento e revisão bibliográficos sobre o tema, sobretudo a partir de autores como Scolari (2014, 2015), Scolari, Bertetti e Freeman (2014), Jenkins (2003), Long (2007), Evans (2011), Souza, Lessa e Araújo (2013), Fechine (2011, 2014), Gosciola (2014), Castro (2014) e Renó (2011).

Rodrigo Lessa

Professor no Centro Universitário UniRuy | Wyden, em Salvador-Ba. Doutor em Comunicação e Cultura Contemporâneas pelo Póscom/Universidade Federal da Bahia (2017). Mestre em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela mesma instituição (2013). Bacharel em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Comunicação da UFBA (2010). Atualmente desenvolve estágio pós-doutoral no Póscom/UFBA, sob orientação da professora Dra. Maria Carmem Jacob de Souza, com projeto intitulado “Elas e o amor: a construção de mundos românticos nas fanfictions de telenovelas brasileiras”. É pesquisador colaborador do grupo de pesquisa A-Tevê – Laboratório de Análise de Teleficção (Póscom/UFBA) e membro da rede internacional de pesquisadores do Obitel – Observatório Ibero-Americano da Ficção Televisiva. Suas áreas de interesse e tópicos de pesquisa incluem: análise de audiovisual, estudos de televisão, narrativas seriadas, processos de transmidiação, narrativas transmídia e estudos de fãs.

e-mail: [email protected]

Esta pesquisa almeja explorar, tanto teórica quanto metodologicamente, um termo caro aos estudos dos processos de transmidiação que contemporaneamente envolvem seriados televisivos ficcionais: a noção de um universo transmídia. Chamamos de processos de transmidiação as estratégias e práticas que fazem um conteúdo monomidiático, o seriado televisivo ficcional na nossa pesquisa, percorrer diversas mídias e plataformas comunicacionais. Trata-se da criação de artefatos que se vinculam a um texto de referência, fazendo-o migrar de mídias enquanto simultaneamente alarga seu escopo de significações. Com revisões de literatura e estudos previamente realizados, acreditamos que a definição inicial de um universo transmídia seja a de um complexo emaranhado comunicacional que se encontra em ampla circulação cultural e que se refere a uma obra ficcional específica. As peças que compõem este emaranhado são textos de referência, extensões transmídia paratextuais e extensões transmídia ficcionais alocados em múltiplas mídias e plataformas comunicacionais. Estas peças são formalmente constituídas a partir de uma larga variedade de formatos e linguagens, podendo ser produzidos tanto por organizações empresariais – canais de televisão, estúdios, conglomerados midiáticos – quanto por organizações de fãs. A partir destas premissas, este projeto de pesquisa almeja avançar nas discussões teóricas acerca destas definições, que carecem de refinamento e comprovados vínculos com o estado da arte a nível global. É nosso objetivo também explorar metodologias de análise possíveis para os universos transmídia que envolvem seriados televisivos ficcionais. A etapa atual da pesquisa é a de levantamento bibliográfico e comparação de estudos de autores distintos; por se tratar de um tema relativamente recente nos estudos de mídia, há ainda forte embate de ideias e pouca concordância teórica, motivo pelo qual as explorações conceituais deste projeto se mostram relevantes. Posteriormente, serão desenvolvidas análises de universos transmídia, cujo corpus será definido após o estabelecimento de critérios e parâmetros analíticos resultantes da etapa anterior.

Maíra Bianchini

Pós-doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas (Póscom/UFBA). Doutorada pelo Póscom/UFBA, com pesquisa sobre a criação de séries originais da Netflix no campo de produção de séries ficcionais televisivas dos Estados Unidos e a construção narrativa da quarta temporada de Arrested Development. Mestre em Comunicação Midiática pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), estudou as estratégias comunicacionais de emissoras e canais a cabo estadunidenses que produzem seriados ficcionais, a partir do caso da HBO. Graduada em Comunicação Social – Habilitação Jornalismo (UFSM). Pesquisadora do grupo de pesquisa A-Tevê – Laboratório de Análise de Teleficção e membro da rede internacional de pesquisadores do Obitel – Observatório Íbero-Americano de Ficção Televisiva. Áreas de interesse: ficção seriada de televisão, narrativas seriadas televisivas, distribuição e comercialização de obras audiovisuais, mercado audiovisual, políticas públicas de fomento ao audiovisual, modelos de negócios e produção de ficções seriadas na televisão e internet, narrativas transmídia.

e-mail: [email protected]

A proposta de estudos de pós-doutorado aqui apresentada tem como objetivo identificar o modelo de negócios da Netflix e investigar as repercussões deste modelo nas estratégias de distribuição e de produção de conteúdos audiovisuais originais da empresa, especialmente as ficções seriadas televisivas. O portal de televisão distribuída pela internet (Lotz, 2017) tem se destacado na indústria do entretenimento ao se firmar como o serviço de streaming de audiovisual licenciado online de maior alcance em todo o mundo e pela produção de obras originais e exclusivas reconhecidas pelas instâncias de consagração do campo – nos prêmios Emmy 2018, por exemplo, a Netflix recebeu o maior número de indicações entre as empresas distribuidoras, desbancando a liderança de 17 anos consecutivos do canal a cabo premium HBO. Abordaremos as especificidades que surgem no campo de produção de séries televisivas estadunidenses a partir do século XXI, tendo em vista as alterações no contexto midiático com a emergência das redes digitais; nesse cenário, a Netflix conseguiu estabelecer a sua presença em um mercado improvável, o de aluguel de DVDs pela internet (e de remessa dos discos pelo sistema postal estadunidense), em um período de transição nas formas de entregar conteúdo audiovisual licenciado para o público. Em meados da década de 2000, a Netflix também esteve à frente das primeiras experiências de distribuição legal de conteúdos de estúdios e produtoras de Hollywood por meio do streaming de vídeo online e, nos anos 2010, liderou os investimentos mais ambiciosos na produção de séries ficcionais televisivas entre as empresas baseadas na transmissão de mídia audiovisual pela internet. A criação de obras seriadas de ficção televisiva fora do fluxo tradicional das grades de programação de emissoras e canais a cabo sustenta a nossa argumentação sobre uma quarta fase da televisão dos Estados Unidos, a era da TV IV (Bianchini, 2011, 2018), cujas práticas e dinâmicas diferenciam-se dos modos dominantes de operação desta indústria durante a segunda metade do século anterior.

Lynn Alves

Bolsista de Produtividade Desenvolvimento Tecnológico e Extensão Inovadora do CNPq – Nível 2, com doutorado em Educação e o pós-doutorado na área de Jogos eletrônicos e aprendizagem pela Università degli Studi di Torino, na Itália. Atualmente é professora e pesquisadora do Instituto de Humanidades, Artes e Ciência – IHAC – UFBA, coordenadora do Grupo de Pesquisa Comunidades Virtuais e membro do Grupo de Pesquisa A-Tevê.

e-mail: [email protected]

O referido projeto estabelece o diálogo entre a narrativa seriada televisiva e os games, partindo da premissa de que esta interface pode orientar a emergência de uma estrutura narrativa inovadora que favorece maior engajamento dos que são fisgados pelas séries de TV e pelos games. O objetivo da investigação é analisar os dez episódios da primeira temporada da série Westworld no que se refere aos aspectos relacionados com as estratégias de gamificação e suas tensões nas narrativas dos personagens, subsidiando proposições que articulem o diálogo entre a linguagem dos jogos digitais e das séries televisivas.

Natasha Canesso

Doutoranda do Programa de Pós Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Universidade Federal da Bahia (PósCom/UFBA). Mestre em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Universidade Federal da Bahia (PósCom/UFBA). Graduada em Publicidade e Propaganda pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Professora Assistente DE da Universidade Federal do Oeste da Bahia, Centro Multidisciplinar de Santa Maria da Vitória. Integra o Laboratório de Estudos Multidisciplinares em Linguagens, Comunicação e Cultura (LINC) na UFOB e o Grupo de Pesquisa em Comunicação, Política e Redes Digitais (CP-Redes) na UFBA. Como docente, atua nos seguintes temas: publicidade e propaganda, planejamento de comunicação, gestão de marcas, comunicação organizacional, economia criativa, indústrias de mídia, gestão do audiovisual e animação.

e-mail: [email protected]

Projeto de pesquisa (2016 a 2019)

Processos Criativos da Produção Independente de Animação Seriada Infantil Brasileira

Orientadora: Maria Carmem Jacob de Souza

 

Marcelo Oliveira Lima

Doutorando do Programa de Pós-graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Universidade Federal da Bahia. Mestre em Comunicação (PPGCCC – UFBa, 2016). Graduado em Comunicação Social — Jornalismo da Universidade Federal da Bahia. Roteirista de quadrinhos e audiovisual, produtor cultural e editor. Áreas de interesse e atuação: narrativa, histórias em quadrinhos, roteiro, séries televisivas, transmidiação, dramaturgia e desenhos animados.

e-mail: [email protected]

Projeto de pesquisa (2016 a 2020)

É hora de aventura: Estratégias de Serialização Narrativa nos Desenhos Animados de Curtíssima Duração.

Orientadora: Maria Carmem Jacob de Souza

 

Hanna Nolasco

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Mestre pela mesma instituição, estudou o projeto musical da telenovela Cheias de Charme. É graduada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela mesma universidade. Temas investigados: telenovela, música, musicais.

e-mail: [email protected]

Projeto de Pesquisa (2019 a 2023)

“Tudo é uma festa de sons”: um estudo sobre as telenovelas musicais brasileiras

Orientadora: Maria Carmem Jacob de Souza

 

Genilson Alves

Doutorando do Programa de Pós-graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Universidade Federal da Bahia. Mestre em Comunicação pela mesma instituição com uma pesquisa sobre as marcas de autoria e estilo de Shonda Rhimes em Grey’s Anatomy. Graduado em Comunicação Social — Jornalismo também pela Faculdade de Comunicação da UFBA. Profissional de Planejamento com foco em ambientes digitais. Áreas de interesse e atuação: séries ficcionais televisivas, autoria, estilo, telenovelas, serialidade e deliberação online.

e-mail: [email protected]

Projeto de pesquisa (2019 a 2023)

O carrossel nunca para de girar: um estudo sobre a construção da longevidade nas séries dramáticas da TV aberta estadunidense.

Orientadora: Maria Carmem Jacob de Souza

 

Bárbara Fernandes Vieira de Souza

Doutoranda do Programa de Pós Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Universidade Federal da Bahia (PósCom/UFBA). Mestre em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Universidade Federal da Bahia (PósCom/UFBA). Especialista em Neuropsicologia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Graduada em Psicologia na Universidade Salvador (UNIFACS). Temas investigados: ficções seriadas televisivas; campo da televisão; representação de juventudes e marcas de autoria.

e-mail: [email protected]

Projeto de pesquisa (2018 a 2022)

“Seja o que tiver que ser, seja o que quiser ser”: Representação das juventudes e das questões sociais em Malhação: Viva a Diferença.

Orientadora: Maria Carmem Jacob de Souza

 

Thaiane Machado

DJornalista de formação, Mestre em Comunicação e Cultura Contemporânea, pela Universidade Federal da Bahia, e especialista em Previsão de Tendências e Comportamento do Consumidor, pela IESB/Brasília. Doutoranda em Comunicação e Cultura Contemporânea/POSCOM-UFBA, com pesquisas voltada para o entendimento do consumo e produção de conteúdos ficcionais em multiplataformas. Temas investigados: ficções seriadas televisivas; campo da televisão; representação de juventudes e marcas de autoria.

e-mail: [email protected]

Projeto de pesquisa (2019 a 2023)

Ficção em todos os lugares: Uma análise das escolhas de consumo de conteúdos ficcionais e o impacto nas instâncias de produção e distribuição.

Orientadora: Maria Carmem Jacob de Souza

Tcharly Magalhães Briglia

Mestrando em Comunicação e Cultura Contemporâneas — Universidade Federal da Bahia. É Licenciado em Letras (Inglês‒Português) e Bacharel em Comunicação Social (Rádio e TV) pela UESC (Universidade Estadual de Santa Cruz). Atua como professor de Língua Portuguesa e assessor pedagógico. Foi bolsista de Iniciação Científica (2008‒2010) pela FAPESB (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia). Participou, em 2014, da Oficina Geração Futura Universidades Parceiras (Canal Futura), retornando em 2015 como produtor do projeto. Dirigiu e produziu “Programe-se” (2015-2016), produção transmídia desdobrada em documentário, websérie, e-book e livro impresso, sobre o impacto da convergência na televisão brasileira. Possui resenhas e artigos científicos e jornalísticos publicados em sites, anais de congressos e em revistas nacionais e internacionais. Em Audiovisual, exerce funções de produtor, roteirista, diretor e editor. Colaborador eventual do Canal Futura, na área de produção de documentários, oficinas educativas, roteiro e análise de conteúdos. Membro do Grupo de Pesquisa em Ficção Seriada da Intercom (Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação). Pesquisador na área de televisão, teledramaturgia, convergência tecnológica e transmídia.

e-mail: [email protected]

Projeto de pesquisa (2019 a 2021)

Autorias convergentes na telenovela brasileira contemporânea.

Orientadora: Maria Carmem Jacob de Souza

 

Krystal Baqueiro Velloso Cajado

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia (UFBA), na linha de Mediatização e Indústria de Mídia. Graduada em Comunicação, com ênfase em Produção Cultural, também pela UFBA. Áreas de interesse: Mercado Editorial, Ficção Seriada Literária, Estudo do Fã, Marketing Empresarial e Transmidiação.

e-mail: [email protected]

Projeto de pesquisa (2019 a 2021)

Além do Livro: Uma análise das estrategias de comunicação das editoras juvenis brasileiras.

Orientadora: Maria Carmem Jacob de Souza

 

Priscila Santiago Sousa

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia (UFBA), na linha de Mediatização e Indústria de Mídia. Comunicóloga habilitada em Produção em Comunicação e Cultura pela UFBA. Suas principais áreas de interesse incluem: cultura digital, cibercultura, cultura participativa, narrativas transmídia, estudo de fãs e de narrativas seriadas.

e-mail: [email protected]

Projeto de pesquisa (2019 a 2021)

Da internet para as livrarias? O movimento literário de autoras de fanfics originais que almejam ingressar no mercado editorial.

Orientadora: Maria Carmem Jacob de Souza